• Atendimento:
  • 44 3025-3839 | 44 98859-9336

MAIS SAÚDE

BLOG

O hirsutismo afeta 5% a 10% da população feminina. É caracterizado pelo crescimento anormal de pelos em áreas de padrão masculino como rosto,mento, tórax, abdome e dorso. Em 80% dos casos, está relacionado com um excesso de produção de hormônios masculinos (androgênios) pelos ovários e/ou glândulas suprarrenais.

O hirsutismo afeta 5% a 10% da população feminina. É caracterizado pelo crescimento anormal de pelos em áreas de padrão masculino como rosto,mento, tórax, abdome e dorso. Em 80% dos casos, está relacionado com um excesso de produção de hormônios masculinos (androgênios) pelos ovários e/ou glândulas suprarrenais.

Síndrome do ovário policístico (SOP) – é a causa mais comum de hirsutismo. Ela é marcada por um distúrbio endocrinológico que não só acarreta aumento na produção dos hormônios sexuais masculinos, mas também a formação de múltiplos cistos no ovário, irregularidade menstrual, infertilidade, resistência à insulina, diabetes mellitus e obesidade;

Síndrome de Cushing – presença de níveis elevados do hormônio cortisol produzido pelas glândulas adrenais (ou suprarrenais), pelo uso de hormônios sintéticos ou por enfermidades que envolvem essas glândulas e a hipófise;

Hiperplasia adrenal congênita – doença do metabolismo que resulta na produção insuficiente dos hormônios cortisol e aldosterona  pelas glândulas adrenais (suprarrenais), que passam a fabricar hormônios androgênicos em excesso;

Obesidade e sobrepeso, porque favorecem o aumento dos hormônios androgênicos;

Outros mecanismos que podem estar envolvidos nas causas do hirsutismo são: resposta exagerada do folículo piloso a níveis normais de androgênios, de causa desconhecida (hereditária, na maior parte das vezes); ingestão de medicamentos que podem estimular o crescimento dos pelos (corticosteroides e anabolizantes, por exemplo) e, em casos raros, pode ser uma manifestação de uma doença mais grave como tumores (benignos ou malignos) dos ovários e das glândulas suprarrenais.

O tratamento do hirsutismo varia segundo a causa subjacente do transtorno e as comorbidades eventualmente associadas, que requerem intervenção direta e, quase sempre, especializada. Em linhas gerais, o objetivo é combater o excesso de hormônios androgênicos circulante (se houver) ou bloquear sua ação no folículo piloso, a estrutura que dá origem ao pelo.

Recomendações para mudanças de estilo de vida para mulheres com obesidade.

Terapia combinada de estrogênio e progesterona para a maioria das mulheres, com a possibilidade de adição de um medicamento antiandrogênico após 6 meses em mulheres com resposta sub ótima.

Dos procedimentos cosméticos, até o momento, a depilação a laser representa a única forma definitiva de eliminar os pelos indesejáveis. Diferente do que acontece com a fotodepilação, que enfraquece os pelos, mas não os elimina totalmente. A depilação com laser é bastante eficaz nas pessoas de pele clara e pelos mais grossos e escuros. Pelos claros ou brancos, não se beneficiam com esse tipo de tratamento, porque não possuem melanina na quantidade suficiente.

Apesar do hirsutismo, por si só, não oferecer riscos maiores à saúde da mulher, ele pode ser sinal de uma doença endocrinológica ou neoplásica mais grave e não deve ser desprezado. Além disso, essa condição clínica pode afetar substancialmente a autoestima e a vida social das mulheres acometidas. Na suspeita de hirsutismo, consulte um endocrinologista.

A ginecomastia é um aumento da glândula mamária masculina. É causada por um desequilíbrio entre a ação de hormônios masculinos e femininos na mama. Pode aparecer apenas de um lado ou bilateralmente. Apesar da maioria ser assintomática, alguns indivíduos podem sentir dor mamária.

 

A ginecomastia é um aumento da glândula mamária masculina. É causada por um desequilíbrio entre a ação de hormônios masculinos e femininos na mama. Pode aparecer apenas de um lado ou bilateralmente. Apesar da maioria ser assintomática, alguns indivíduos podem sentir dor mamária.

 

A pseudoginecomastia é uma condição diferente, que em geral acontece em homens com sobrepeso e obesos, na qual há apenas o acúmulo de gordura na região das mamas, sem crescimento de tecido mamário.

 

A Ginecomastia pode ser fisiológica e se resolver espontaneamente (principalmente em bebês e adolescentes) ou se manter persistente. Acredita-se que é decorrente de um desequilíbrio hormonal temporário na maioria das vezes.

 

O uso de algumas medicações pode trazer um desbalanço hormonal que leve ao aumento do tecido mamário como: espironolactona, cimetidina, cetoconazol, hormônio do crescimento, estrógenos, hCG, antiandrogênicos, agonistas de GnRH (para tratamento de câncer de próstata), inibidores da 5 alfa redutase (como a finasterida), anabolizantes, entre outras.

 

Doenças como cirrose hepática, tumores testiculares ou adrenais, hipertireoidismo, insuficiência renal crônica, hipogonadismo interferem em diferentes graus no balanço hormonal masculino, podendo levar a ginecomastia.

 

Tratamento: Suspender medicações que possam estar causando o problema, tratamento específico da doença causadora da ginecomastia e/ou medicações:

Testosterona: Em pacientes que tenham baixa produção de testosterona comprovada (hipogonadismo) , sem contraindicações ao uso da reposição.

Tamoxifeno: Bloqueia a ação de hormônios femininos na glândula mamária masculina.

 

Considerar Cirurgia Plástica em adultos onde a ginecomastia que não regride e casos de longa duração em que a glândula se encontra em estágio de fibrose.

 

É essencial a avaliação de um especialista em casos de ginecomastia. Se você se incomoda com o volume das mamas, procure um Endocrinologista.

🦋A glândula tireoide é um pequeno órgão em forma de borboleta na garganta e tem 5 centímetros de largura e pesa entre 20 e 60 gramas.

 

🧐A glândula tireóide, em particular, controla praticamente todas as células do corpo humano. Ela secreta os hormônios, calcitonina, T4 (tetraiodotironina) e T3 (triiodotironina) na corrente sanguínea. Os hormônios controlam a taxa na qual células e órgãos transformam nutrientes em energia e a quantidade de oxigênio usada.

 

💡A tireóide também regula a função e o desenvolvimento do cérebro e dos nervos, além da função da pele, cabelos, olhos, coração e intestinos.

 

👭🏻As mulheres estão particularmente em risco de um problema de tireóide. Uma em cada oito mulheres desenvolverá um distúrbio da tiróide durante o curso de suas vidas - que é de cinco a oito vezes a taxa em homens.

 

Tireóide e gestação

 

🤰🏻Os hormônios produzidos pela glândula tireoide são essenciais para a saúde da mãe e do bebê. É durante a gravidez que ela passa a ser ainda mais exigida, pois precisa dar conta do metabolismo da gestante e da criança.

 

🧠Logo no início da gestação, há o desenvolvimento neurológico do feto. Para que esse desenvolvimento não fique prejudicado, é importante que os níveis de hormônios tireoidianos estejam adequados.

 

📍No entanto, a tireoide do bebê só começa a ser formada de fato a partir da 20ª semana de gestação. Com isso, enquanto a tireoide dele não está formada, o bebê depende, exclusivamente, do hormônio materno.

 

🤱🏼O mau funcionamento da tireoide durante a gravidez pode causar sérios problemas de saúde, tanto para a mãe quanto para o feto. Dentre os riscos para a gestante estão: o aumento da pressão arterial, abortos e partos prematuros. Já para o bebê, problemas mentais, déficit cognitivo e aparecimento de bócio são alguns dos riscos.